A revolta da 'rouxinola'

22 outubro 2018


Eu entrei na aula e disse que queria começar a trabalhar, o que é natural, pois sinto que um salário como o que o sr. Ministro me paga tem de ser merecido. É por ele que me entrego a cada aula. Pelo salário, entenda-se, que eu tenho melhor partido.
Mal começo a corrigir uma fichinha (sim, que eu cá não brinco e ele é fichinhas a toda a hora), a T.B. voltou à expressão da sua revolta. Que entende que o feminino de rouxinol, em vez de rouxinol-fêmea, tem de ser rouxinola. A petiz disse aquilo com tanta veemência, que fez com que lhe perguntasse, o porquê da sua convicção:
- Oh pressora, ‘tão não vê que assim só se escrevia uma palavra?!?
-Tão não vejo, T.?!
- É que rouxinol fêmea são duas palavras e isso assim dá mais trabalho, percebe?
Eu percebi e até lhe tenho de dar alguma razão. É que, parecendo que não, há todo um investimento a vários níveis: ele é o tempo que se perde, ele é a tinta da esferográfica que se gasta, ele é todo um movimento de dedos e pulso que, repetido, é tendinite na certa. A aula, como pode ver, caro e paciente leitor, até estava a prosseguir dentro da calmaria pedagógica que se deseja para o processo ensino-aprendizagem, porém:
- Ai! A ambulância!! ‘Tá ali, vêem? - a má dicção que aqui se transcreve pertence ao nervosismo da M.E., sempre preocupada com o bem-estar da humanidade.
Logo se alevanta o burburinho de quase todos os diligentes jovens, dispostos a tudo para saber quem era o(a) aleijadinho(a). Quase todos, caro leitor. Faltava a T.B., a quem a revolta da rouxinola lhe paralizara no rosto um sinistro sorriso. Com as mãozinhas juntas, os dedos entrelaçados e o olhar perdido num lugar só dela, exclamou com perfídia:
- Oh, quem será?
Confesso que ao olhá-la se me arrepiaram “as carnes e os cabelos” de ouvir e vê-la.
Depois, ainda naquele transe obscuro, assegurou que sabe sempre as horas a que todas as turmas estão no ginásio, para saber quem se aleija. Eu, que até aqui tinha sentido algum medo, ao ouvir isto decidi que nunca vou aborrecer esta jovem e que se ela quiser nem precisa mais frequentar as aulas, que lhe asseguro a minha melhor positiva. Que eu cá sou justa e essas coisas, mas prezo muito o valor da vida. E a expressão que lhe vi, mostou-me que é capaz de qualquer coisa.
Depois deste sinistro momento, a aula prosseguiu, mas eu estive já sempre com um olho no burro, outro no cigano, não fosse o diabo tecê-las. E foi neste ambiente agradável que o P.C. fez um comentário que não entendi, tendo-lhe perguntado o que dissera. Ouçam esta pérola:
- Nada pressora, o que é mais extraordinário é a pressora ainda achar que eu digo alguma coisa de jeito.
Antes de manifestar qualquer reacção, olhei para a T.B. para ver qual era a sua. Como se sorria, eu também esbocei um sorriso. Não é que eu seja medrosa, mas depois de tudo o que lhe ouvi, achei por bem tomar alguns cuidados.
Assim, de repente, rouxinola até nem soa mal...
E assim vão os dias.

Antónia Mancha:

Quase fotógrafa. Quase blogger.Quase cronista. Professora de Português. Quase como gostaria.


Deixe um comentário
Enviar um comentário