(Crónicas dos alunos) Circo Mancha

06 novembro 2017

Entrar numa aula de português é como entrar no circo, uma sensação mágica. É como se, a partir do momento em que entramos pela porta da sala, em vez de alunos, passássemos a ser apenas felicíssimos espetadores à espera de mais um magnífico espetáculo. Gosto das atuações, porque sei que em mais nenhum circo são como estas. Nestas, apenas um e só uma pessoa brilha.
Eis que entra o apresentador, com as suas adoradas botas de biqueira de aço, apresenta os planos daquela “sessão” e nós, espetadores, escutamo-lo, observamos e apontamos, escrevendo o número que nos deu e colocando a data. De seguida, os planos. Depois, retira-se. Entra o senhor das adivinhas, com a intenção de que, sessão após sessão, nós memorizemos as respostas às suas perguntas. Por vezes, enerva-se um pouco com a nossa ignorância, mas, muitas vezes elogia-nos, quando sabemos responder corretamente. A meio, entra o palhaço, conta-nos algumas piadas ou até mesmo situações do dia-a-dia.
No final do espetáculo, depois de tantas emoções juntas, até dá pena termos de arrumar… tudo volta a ser como era dantes, uma sala de aula comum, nós alunos e a nossa professora.
Tudo isto faz com que noventa minutos da aula de português sejam mágicos e únicos!  

Mariana Arsénio, 9ºE  

Antónia Mancha:

Quase fotógrafa. Quase blogger.Quase cronista. Professora de Português. Quase como gostaria.


Deixe um comentário
Enviar um comentário