Estão todos avisados

31 janeiro 2019



É certo que tenho andado calada, muito por culpa desta timidez que me enforma e não por falta do que contar. Também é certo que estou em falta para com os moços de uma das minhas turmas, que a cada aula reclamam a cronicazinha dos TPC, ainda por fazer, não por desmerecimento, tão só por culpa da mesma culpada da frase anterior. No entanto, apesar desses atrasos, que tenho a certeza me serão perdoados, até porque são apenas atrasos, não esquecimento, no entanto, dizia eu, não poderia deixar passar a multa que me passaram.
A tarde tinha tudo para ser normal, mas percebi que estava enganada, pois ao dirigir-me para o elevador, a colega M.C. atravessou-se à minha frente sem me ver. Eu ainda tentei dizer qualquer coisa, mas ela estava nervosa. Era com um petiz. Quis parecer-me que ele lhe estava a dar música e ela com uma enorme vontade de pôr a cantar, coisa que não posso confirmar, pois apressei-me a subir, não por medo, que a colega M.C. não mete medo a ninguém. Quando está calma. Não era o caso. Vai daí, e por amor a mim, dirigi-me para a sala e onde encontrei a pouca vergonha que ilustra este textozinho: uma multa!

Um papelito anónimo, num português que eu imaginei ser algum crioulo de Cabo Verde, dirigindo-me logo ao M. com cara de poucos amigos. Que não, que não tinha sido ele. Foi então, como quem está desejando de contar, que os culpados, orgulhosamente, assumiram o seu feito: O J., de quem eu esperaria tudo, menos uma coisa destas; o A., de quem esperaria coisa pior e o Q., de quem não sei o que esperar.
Reza a multa que atravesso o corredor em excesso de velocidade, colocando em perigo os transeuntes. Pois agora fica o aviso, e não apenas a estes três jovens ousados, mas a toda a comunidade escolar: vai começar o inferno “Fast & Furious”, quero ver se há papel que chegue para me autuarem.
Só peço é que não chamem os senhores agentes, os verdadeiros, não que tenha alguma coisa contra, só um pequeno receio…é que afloram-se-me à memória os muitos encontros que já tivemos pelas estradas deste mundo e dos quais sempre saí magoada. É uma relação sem futuro. Não insistam, por isso, em juntar-nos.

Antónia Mancha:

Quase fotógrafa. Quase blogger.Quase cronista. Professora de Português. Quase como gostaria.


Deixe um comentário
Enviar um comentário