TAMPAS, ÓCULOS & TROLLEYS

por - terça-feira, janeiro 31, 2017



A pedido de muita gente, que é como quem diz, um petiz, cá vai uma cronicazinha. Pensarão, “tanta gente a pedir o regresso das crónicas, realmente!” e eu notarei a ironia nesse pensamento, caros leitores, por isso adianto já que não foi um petiz qualquer que ma pediu, foi um daqueles que vale por muitos. E não, não venham já aqui deixar comentários que estou a fazer insinuações relativas à dimensão corporal do jovem. Acaba-se já aqui a conversa, até porque ninguém me pediu coisa alguma!
Depois desta graciosa introdução, há que dizer que a minha vida na escola está um marasmo.
À parte um ou outro apontamento insignificante, nada aconteceu digno de um registo para a posteridade.
Bem, o W. safou-se naquela aula em que o F., o jovem mais calmo da turma, distraidamente, e para grande atrapalhação sua, projectou inadvertidamente a tampa da caneta. Ora o W. Não esteve com meias medidas e disse logo:
- Olha, até lhe saltou a tampa! – comentário acompanhado por um olhar entre o vivaço e o “ai jesus, que a pressora me põe lá fora”.
A pressora sou eu e, naturalmente séria, peguei logo num papel e, perante o ar assustado do pequeno, que se achou na iminência de uma falta de natureza disciplinar, com respectiva participação, devidamente registada no Inovar, escrevi “ crónica: saltar a tampa “ e, serenamente, prossegui com a aula, justificando, assim, o chorudo vencimento que aufiro a cada dia 23.
Como é do domínio público, perdi os óculos. Já havia feito algumas tentativas, mas desta vez foi mesmo a sério. Lá tive de recorrer a um modelo vintage que tinha aqui em casa. Ora, a mudança de visual gerou uma leve onda de sorrisos, que me levou ao comentário “não estão a resistir a tamanha beleza, não é?” e que me obrigou a medidas drásticas, que não gosto de tomar, por não fazerem parte da minha natureza, mas que tinham de ser tomadas, pois não gosto de distracções, ainda que o motivo seja o meu inegável bem parecer. Então, disse logo:
- Oh C., dá-me cá os teus óculos!
A C. deu-mos de imediato, pois conhece a minha imprevisibilidade. E além disso, já mos havia emprestado aquando de outras vezes que os meus desapareceram. Pronto, lá estão novamente os leitores a fazer juízos depreciativos e precipitados, “pobre jovem, coitadinha, praticamente ceguinha”. Desde já, aborrecem-me esses diminutivos, depois, a jovem tem miopia, tal como eu e tem a mesma graduação que a minha, mas a jovem não está a ser paga pelo seu desempenho, logo, para ceguinha, antes ela que eu, que tenho responsabilidades e um chorudo vencimento a justificar. Estamos entendidos?
A C. lá fechava ligeiramente os olhos, parecia estar a querer focar o meu rosto, o que é compreensível, pelas razões estéticas anteriormente abordadas, eu é que estava com um grande desconforto nas orelhas, pois as hastes eram curtas. Mas à parte isso, tudo correu lindamente. É claro que, no fim da aula, lhe pedi que fosse à óptica substituir as hastes por umas mais longas, “ah, porque assim vão ficar-me largos”, dizia a pequena, ao que tive lhe fazer entender que o importante era que me ficassem bons a mim. Pareceu compreender, o que não quer dizer que ponha tal entendimento em prática. É pena.
Ontem, enquanto me dirigia para a sala, apercebo-me de um jovem que, de costas e em visível desequilíbrio, vinha na minha direcção. Só tive tempo de pensar “será uma dança destas da moda?” e o bailarino em desequilíbrio faz-me uma razia e enrola-se com Mancha mobile, caindo, mas levantando-se num ápice e, com um ar muito atrapalhado:
- Aí, oh pressora, desculpe lá!
Ora eu cá sou justa e o jovem não me havia feito mal algum, então disse-lhe:
- Não é a mim que tens de pedir desculpas, é ao trolley!
Mas disse-o com uma expressão solene. Ao que o jovem, de imediato, e com visível arrependimento, virou-se para o Mancha mobile e disse:
-Aí, desculpe lá!
Eu estava a brincar. Mas ele não.

Também pode querer ler

0 comentários